Destaque, Expedições

Como é acampar no meio do Sertões e acordar com os motores da competição

*Por Thais Medina (@ahoradaviagem)

Vruuuuuuum. Com o ronco de motores de motos aceleradas, abrimos os olhos quando o sol ainda estava baixinho, surgindo no horizonte. Elas já estavam passando em alta velocidade bem em frente ao nosso acampamento. Fala se haveria melhor som pra nos despertar em meio ao Rally dos Sertões? 

 

Café da manhã tomado, é hora de aproveitar o camarote montado pela 4×4 Aventura, e conduzido por Renato Perotti, e comer um pouco de poeira. E que poeira boa! Em palavras, fotos e vídeos não é possível explicar a sensação de ver a competição rolando ali na sua frente, a poucos passos de você. A cada piloto que passa por nós, o pedido feito pelas  equipes durante a nossa visita técnica, de muita torcida era atendido, e a vibração era das melhores. 

(crédito: Gabriel Massote/Expedição Sertões)

Nem preciso dizer que rolou mais um churrasquinho pra acompanhar toda essa vibe boa, né?! Hora do almoço e também de levantar acampamento pra seguir viagem. Saindo de Umuarama (PR) tínhamos duas possibilidades: ir para Presidente Prudente (MS), onde as equipes pernoitariam, ou para Bataguassu (MS), a 120 km de Presidente Prudente, passando a noite no local em que os pilotos abasteceriam os seus veículos antes de iniciar a prova. Nossa escolha foi pelo segundo trecho. E foi certeira! 

A ideia inicial era seguirmos por asfalto, até que… QAP! Era um participante, o Maicon, que reside no Mato Grosso do Sul – ou Mato Grosso do Céu -, chamando para, sutilmente, recomendar um pouquinho mais de aventura por um caminho conhecido por ele. A viagem seria aumentada em alguns minutos, e também por uma balsa e um trecho de terra. Alteração analisada e aceita pela organização. Bora replanejar o trajeto. 

Seguimos para Porto Rico, à beira do Rio Paraná, onde fica uma verdadeira e grande praia de água doce. Que visual… A cidade de veraneio tem pouco mais de 2.500 habitantes durante a semana, segundo o IBGE, e chega a atingir 30 mil aos finais de semana. Com uma estrutura com muitos bares e restaurantes à “beira-rio”, ela vem ganhando condomínios de alto padrão e, conforme já constam em placas espalhadas pelo destino, em breve vai ganhar um resort, o Tayayá.

A balsa, com capacidade para poucos carros, divide o Paraná do Mato Grosso do Sul. Ao desembarcar, vem terra pela frente! Estradas empoeiradas, do jeito que a gente gosta! A vegetação já muda de figura e os pastos cheios de gado ganham mais destaque. Além disso, araras e tucanos são vistos cruzando a rodovia. Outros animais também começam a surgir, como se estivéssemos mudando para um outro episódio. O que não deixa de ser realidade. Era um novo estado, um novo trecho, uma nova paisagem na história da Expedição Sertões edição especial de 30 anos.

A estrada era só nossa. E o 732 não hesitou em colocar uma pitadinha a mais de emoção e engatou uma quinta na estrada de chão, no maior espírito de competição… Eu disse competição?! Numa expedição não faz sentido alguém ser melhor que o outro; o objetivo é todos chegarem com segurança e juntos. O ditado “Ninguém larga a mão de ninguém” é traduzido em “Você é responsável pelo carro que está atrás do seu”. A colaboração e a união não dão espaço pro individualismo. 

Trajeto superado com sucesso, com um bom piloto, carro bem revisado pela equipe da Sim Pneus e pneus adequados para este tipo de viagem – lembra que já falamos antes sobre a importância de um pneu de qualidade, né?! O nosso é um Grabber X3, da General Tire. Seguimos por mais uma horinha de asfalto até o posto Prudentão, onde um arroz carreteiro – olha o Fabinho atacando de novo com seu tempero insubstituível – nos aguardava. Muitos acamparam por ali; outros aproveitaram uma noite de sono no hotel anexo ao próprio posto. Quarto simples e com o que era essencial para o momento: um bom chuveiro, cama confortável, escurinho e ar-condicionado pra aliviar o calorão dos últimos dias.

É hora de apagar a luz e se preparar pra mais um dia de estrada. 

Quer saber mais? Acompanhe no Instagram do @maisoffroad e do @ahoradaviagem.

Veja também:
É possível participar do Sertões sem pilotar e ser da equipe técnica? A resposta é sim!
Expedição Sertões: hora de subir a rampa pra uma nova aventura!
Expedição Sertões: é dada a largada! E nós estivemos por lá!

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.