Cerapió começa a todo vapor

janeiro 28, 2014 11:01 am

A primeira etapa é a mais longa de toda a prova - Foto: divulgaçãoO primeiro dia de competição do Cerapió foi dureza por ser o mais longo da prova. Cerca de 392 km foram percorridos pelos mais de 250 competidores que suaram para ultrapassar todos os desafios das trilhas mistas entre Fortaleza e Jijoca.

Na modalidade moto o Campeão Brasileiro da Categoria Master, Emerson Loth, “ O Bombadinho”, largou cheio de gás. Apontado como favorito por alguns companheiros de prova, Bombadinho disse que não tem favoritismos no Cerapió: “ Tem vários pilotos bons aqui, ninguém é favorito”. Mesmo largando na ponta o piloto disse que levou azar: “Isso não é bom. Ano passado eu larguei primeiro peguei muita porteira fechada. Vou ter que abrir a trilha e é melhor quando pegamos a trilha aberta”, finalizou.

A primeira etapa da prova de motos do Cerapio2014 foi extremamente técnica e muito elogiada pelos pilotos pela dificuldade e precisão, principalmente dos laços. Em Sítios Novos a prova passou por uma trilha de areia antes de chegar na serra. Em um dos laços da prova, os pilotos vibraram com o grau de dificuldade da “pegadinha”.

Como a maioria dos pilotos previa, desde o briefing, o final de primeira etapa da prova foi marcado por trilhas de pedra que tornaram o trecho o mais difícil. “A trilha foi excelente e esse finalzinho de pedras dificultou bastante”, afirmou Emerson Loth. Jomar Greco e Guilherme Cascaes também acharam o último trecho da prova difícil.

Na modalidade carro 4×4 teve gente que curtiu todo o percurso e ao final da etapa, já em Jijoca, não conseguia esconder a emoção em estar participando do maior rali de regularidade das Américas. Exemplo disso é o casal Miguel Sono e Rose Vasconcelos do Rio de Janeiro. Piloto e navegadora, trazem para a competição a sintonia que tem no relacionamento e segundo o piloto esse é o segredo para um bom resultado, tanto na prova, quanto fora dela.

Competindo na modalidade há dois anos e meio, o casal que forma a equipe Araponga Rally Team, também se preocupa com o desgaste pelas longas distâncias do primeiro dia, que tem 392 km de Fortaleza até Jericoacoara. “O cansaço é o que mais nos preocupa, mas quando a prova tem bastante balaio a gente fica na adrenalina e não cansa, como a gente recebeu na planilha que vai haver bastante balaio então não vamos ter problema”, pontuou a navegadora Rose Vasconcelos.

De acordo com o Diretor da Prova, Ehrlich Cordão, no primeiro dia de prova, um dos pontos mais belos no percurso foi o da Lagoa do Jegue, que também exigiu dos competidores bastante atenção.

Mais o ronco dos motores dos UTVs ecoou sertão adentro. O calor foi coringa para os pilotos e navegadores das ‘gaiolas’ principalmente nas dunas da cidade de Caucaia –CE. A primeira etapa da prova, com 392 km de percurso, foi a longa do rali e teve 11 horas de duração.

No UTV, a dupla do Piauí Leônidas Escobar e Peter Ferreira, que ficou em segundo lugar na competição, ano passado, largou sendo considerada uma das favoritas. Os atletas que formam a equipe “Deselegantes da Trilha”,apostaram na atenção a navegação para evitar erros no percurso.

“Não tem como não ficar na tensão em um primeiro dia tão longo. Nessa primeira parte das dunas, seguimos ao máximo a navegação pra evitar qualquer acidente nas duas. Ao longo da prova vamos tentar não praticar determinadas coisas que nós praticamos ano passado e evitar qualquer erro. Vamos buscar a vitória”, garantiu o piloto. Amanhã rumo a Viçosa (CE) vamos tentar fazer melhor do que fizemos hoje, finalizou.

O Rally Cerapió tem patrocínio da Caixa – Governo Federal e Ipiranga; co patrocínio: Governo do Estado do Ceará, Governo do Estado do Maranhão, Governo do Estado do Piauí e Honda; apoio: Michelin, Houston Bike, Prefeitura de Fortaleza; colaboração: Shopping Iguatemi, UCI Cinemas, Gran Solare Lençóis Resort, Prefeitura de Jijoca de Jericoacoara, Prefeitura de Viçosa do Ceará, Prefeitura de Tianguá, Prefeitura de Parnaíba e Prefeitura de Urbano Santos. Parceiros: Ótica Jockey, Sertão Games, Pag Contas, Sebrae e Lys Turismo. A supervisão é da Confederação Brasileira de Motociclismo, Confederação Brasileira de Automobilismo e Confederação Brasileira de Ciclismo e das federações de Motociclismo do Piauí, Maranhão e do Ceará e federações de Ciclismo do Piauí, Maranhão e do Ceará.

Print Friendly


Comente esta matéria


Atenção! O comentário aqui postado é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Jornal Mais Offroad. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e serão removidos.